Isto é um Sonho!

No filme Inception (Origem), você podia entrar sonhar lucidamente e atuar no sonho modificando realidades. Inception mostrava a intenção de plantar uma idéia na mente de pessoas, para mudar suas decisões e comportamentos. Descendo a níveis de inconsciente cada vez mais profundos, o herói tenta também resolver seus problemas mais íntimos, sendo que no final ficamos na dúvida se ele está vivo ou não, se tudo não passou de um sonho que ele está tendo depois de morto.
Quando o filme foi lançado, eu ainda não tinha praticado a Yoga dos Sonhos, nem sabia o que era. Título de um livro de Tenzin Wangyal Rimpoche, a Yoga dos Sonhos é uma prática milenar do budismo tibetano. O objetivo é manter-se consciente durante o sono profundo. A primeira coisa que ele alerta é que a gente não deveria apagar assim, ao deitar na cama, arriscando-se a ter como último pensamento “amanhã tenho que pagar aquela conta”, “acho que fulano não gosta de mim” “tenho medo de dormir sozinho aqui” e coisas no gênero.
Nesses cinco últimos minutos preciosos, se a gente não “limpar” as emoções do dia, como as raivas, os desejos, os apegos e as culpas, se não prestarmos atenção ao que acontece no state of the mind, vamos adentrar esse espaço dos sonhos (no qual vivemos praticamente vinte e cinco anos da nossa existência) prontos para termos bad dreams, pesadelos, e acordarmos cansados, deprimidos, arrastando essa depressão e cansaço pelo resto do dia.

Num axioma tipo “estou sonhando com a borboleta ou a borboleta está me sonhando”, um dos truques dessa poderosa meditação nos sonhos está em dizer, durante o dia, na frente do chefe surtado, ou discutindo a relação com a esposa, ou diante de um problema que aparece: “isto é um sonho, isto é um sonho, isto é um sonho…”

O incrível é que você pode ficar anos sem se lembrar dos sonhos, mas basta você manifestar a intenção de sonhar lúcido que de repente você terá um daqueles sonhos maravilhosos, onde você saca que está sonhando e experimenta ou brinca com seus limites e problemas. E acorda sempre bem.
Quando conheci Tenzin, recentemente, comprei seu livro sobre os sonhos e vim pra casa sem abri-lo. Pois sonhei naquela noite que estava numa situação dramática, vítima de um arrastão, todo mundo que amo e conheço presos juntos num espaço fechado, sitiados por caras muito maus, que ameaçavam nos matar. Eu bem no meu estilo ia lá tentar negociar com o chefe dos bandidos, e ele até me olhava com um certo respeito, admirando minha ousadia, mas colocava que estava decidido, íamos todos morrer. Eu tanto insisti em sua compaixão, que num certo momento ele facilita a minha fuga, mas eu me recuso a sair e deixar os outros lá. Nesse momento, eu formulo o pensamento “nem no pior dos meus sonhos eu poderia imaginar uma situação assim”. Quando falo isso um estalo, percebo – Estou sonhando! E imediatamente já estava noutro lugar, num espaço luminoso e claro, voando por cima de dunas de areia dourada.

Neste fim de semana, finalmente Tenzin veio ao Brasil ensinar esse processo. Não dá pra ensinar uma prática num blog, mas aqui vão alguns pontos importantes, que só de ler já vão alterar para melhor sua noite de sono:
*ao adormecer, a mente deve estar luminosa, espaçosa, calorosa para consigo mesmo.
*em que outro lugar podemos encontrar nossos mestres, nossos guias, nossos anjos, nossos entes queridos que partiram, senão no sonho?
*ir dormir da maneira correta faz toda a diferença.
*posso mudar minha vida se mudar meus sonhos.
*se você prestar atenção, vem tendo sonhos recorrentes há dez, quinze anos. Esses sonhos estão mandando uma mensagem sobre questões a serem trabalhadas.
*é mais difícil mudar uma situação quando estamos acordados, pois achamos que tudo é sério, verdadeiro. Mas no sonhos, podemos voar, mudar de cenário, temos mais ESPAçO.
*estamos constantemente criando files, arquivos, historias. Nos sonhos, podemos deletá-los ou reformatá-los.
*quando você se trata de maneira sagrada, e reza, e pede proteção aos seus anjos e espíritos guias, na hora de dormir, você realmente se sente protegido e não tem pesadelos. Funcionava quando você era criança. Hoje, seu refúgio está dentro de você.
*onde você coloca sua última atenção antes de dormir determina tudo, os últimos olhares e emoções. Se estiver magoado, ferido, isso vai se refletir no sonho, durante toda a noite, e no dia seguinte inteiro, e quem sabe, em muitos dias e noites da sua vida.
*é bom colocar a atenção no coração, deixar abrir-se um espaço amoroso, caloroso.
*a palavra chave é acolher. Acolher seu medo, acolher sua insegurança, com um abraço luminoso.
*se você tem um medo e sonha com isso, consciente de que é um sonho você pode exercitar sua coragem e vencer um importante obstáculo na sua vida.
*se não estivermos acostumados a estar conscientes no sonho, se nos perdemos todas as noites, que chance temos de estar conscientes quando a morte chegar?
* este momento, agora, em que você me lê, isto é um sonho!…rsrsrs

Recomendo a leitura do livro Yoga dos Sonhos, de Tenzin Wangyal Rinpoche, editora Devir.

Leia mais →

Além da Mindfulness

Há alguns anos, quando vou dar algum workshop de meditação, não saio de casa sem uma boa quantidade de uvas passas. Parece estranho? É uma das técnicas de mindfulness desenvolvidas pelo médico americano John Kabbat-Zinn, para sairmos da distração, do piloto automático, e estarmos presentes. Sempre me encanto ao observar aquelas pessoas, acostumadas a pegar uma porção de passas na mão e enfiar na boca, distraidamente, tendo que pegar uma passa apenas, olhá-la com atenção, senti-la com a língua e depois de quase 5 minutos, começar a mastigá-la vagarosamente. Epifanias acontecem nesse momento…

Mindfulness agora está na moda, é o trend do momento. Hospitais no mundo inteiro a praticam, deu capa da Time, e aqui no Brasil médicos da UNIFESP e do Einstein ensinam a seus pacientes. A dra. Elisa Kokasa, que faz pesquisas sobre meditação no Einstein, me garantiu que essa técnica de atenção plena e meditativa está disponível para pacientes do SUS.
Mas isso é apenas o começo, o primeiro degrau, a atenção plena.

Já ajuda pra caramba. Traz calma, paz, cura. O que vem depois, se continuamos no caminho, é a compreensão da natureza da mente, da vacuidade que tudo permeia, vacuidade essa que é plena de algo invisível e indizível, comparável à energia escura do universo. Entendemos a vida e entramos no flow.

Aí, como dizem os budistas zen, podemos continuar cortando lenha e carregando nossa água, isto é, fazendo nosso trabalho no mundo, porque estaremos no mundo mas já não seremos do mundo, teremos saído da matrix.

Mas voltemos ao nosso aqui/agora, ainda na matrix.

Há estudos que dizem que o número de pensamentos que nos passam pela mente num só dia é de cerca de 60.000, embora possa ser muito maior. A cada 1,44 segundos, temos um pensamento, entre os quais se incluem também as emoções: ira, frustração, alegria, tristeza, ciúme, decepção. Tanto os pensamentos quanto as emoções pertencem ao domínio da mente; são fogos de artifício que explodem dentro de nós a cada 1,44 segundos.
Nesse constante caos, um pensamento leva ao seguinte, e este a outro. Não há descanso ou quietude mental. O importante é estar pensando. Em quê? Não importa, contanto que a mente esteja ocupada com qualquer coisa.

Qualquer um nesse estado observa seu mundo externo a partir de sua cabeça. Seus olhos abertos nada vêm. Dirige o carro e chega ao destino sem ter idéia como o fez. Caminha pela rua mecanicamente, imerso nos pensamentos.

Para sair desse piloto automático, é bom perceber que somos como uma cebola, temos várias camadas. Experimente cortar uma cebola no meio. Perceba: a camada externa, a casca, é o corpo físico. Depois vem a camada da mente, os pensamentos, a camada das emoções, os sentimentos, a camada da energia (onde funciona a acupuntura, no corpo energético); depois vem a alma, que podemos chamar de self, depois o espirito, e por último, tchamtchamtcham! …aquele vazio que toda cebola tem dentro, um espacinho de vacuidade. Esse centro, a vacuidade, é o campo das infinitas possibilidades, que os cientistas chamam de ponto zero de energia. É onde acontecem os milagres, as sincronicidades, onde saímos da dualidade, um espaço vazio pleno de amor e compaixão.

Todos esses corpos/camadas estão unidos pela respiração, que permeia tudo. Então meu primeiro toque, nesta primeira colaboração aqui no Brasil Post, é respirar, primeiro esvaziando os pulmões, e depois enchendo-os de ar, vagarosamente, sentindo-se como aquela cebola, umas dez vezes. Depois, vá comer a sua passa. Mas bem devagaaaarrr…

Leia mais →